Intercâmbio: por que o "depois" pode importar mais?