Falar é (realmente) o que mais importa nas aulas de inglês?